Fale conosco pelo WhatsApp

Você sabe o que é terapia-alvo?

É considerado câncer todo tipo de mutação e crescimento desordenado de células em qualquer região do corpo, que deixam o paciente bastante debilitado caso ele entre em processo de metástase. Mas, ainda que existam mais de cem tipos de
câncer catalogados até agora, a grande maioria deles já possuem algum tipo de tratamento, descobertos a partir de pesquisas e da nossa própria evolução tecnológica.

Entre os tipos de tratamentos mais conhecidos temos a radioterapia, a quimioterapia, o transplante de medula óssea, a imunoterapia, além do processo de remoção do tumor por cirurgia. Nos últimos anos, também vem ganhando força uma outra forma de combate ao câncer chamada de terapia-alvo. Você sabe o que é?

O que realmente é a terapia-alvo?

A terapia-alvo é um tratamento que vai direto na célula que deu origem à neoplasia. Isto é, os medicamentos aplicados nessa modalidade terapêutica atuam diretamente na raiz da doença, na primeira célula maligna que surgiu no corpo da pessoa.

É graças a isso que os efeitos colaterais que surgem durante e depois do tratamento do câncer são consideravelmente atenuados na terapia-alvo, pois ela tem uma maior precisão em atingir apenas as células cancerígenas, não
comprometendo tanto as células saudáveis.

Como funciona o tratamento na terapia-alvo?

Para ter uma maior precisão e, consequentemente, uma maior eficácia no combate à doença, foram criados medicamentos que identificam e destroem apenas aquelas células anômalas no organismo, impedindo que cresçam e se alastrem pelo resto do corpo.

As substâncias levam em conta a maneira como as células normais costumam se reproduzir para identificarem quais devem ou não atacar.

Existem efeitos colaterais da terapia-alvo?

Os efeitos causados pela terapia-alvo são um pouco distintos dos observados em tratamentos como a quimioterapia. Na TA, sensações de náusea, vômitos e queda de cabelo são bem menos frequentes.

Alguns dos efeitos registrados em pacientes que utilizaram a terapia molecular foram erupção e pele seca, cansaço e insuficiência cardíaca, além de mudanças na coagulação do sangue.

Como tratar os efeitos colaterais?

Antes de remediar os efeitos adversos do tratamento alvo molecular, o paciente deve deixar o oncologista responsável a par dos sintomas apresentados. A partir daí é que o médico irá averiguar quais medicamentos poderão ser receitados, assim
como a dosagem e a sua duração.

É comum que na terapia-alvo a pele dos pacientes fique mais seca e sensível, portanto é importante mantê-la sempre hidratada e protegida sobretudo nos horários em que o sol estiver muito quente.

Quais tipos de câncer podem ser tratados com terapia-alvo?

A terapia-alvo é recomendada para o câncer que tenha identificado a sua origem, visto que apenas assim é possível que o tratamento funcione de maneira adequada.

O oncologista irá encaminhar o paciente a uma série de exames que irão ajudar identificar a raiz da doença.
Entre os tipos de câncer que podem ser tratados com a terapia-alvo estão o câncer de mama, pulmão, ovários, tireóide, pele, fígado, reto e leucemia.