O câncer de ovário é uma das formas da doença que mais se desenvolve nos aparelhos genitais das mulheres, sobretudo naquelas que já estão com mais de 50 ou 60 anos.


Uma das particularidades que o distingue dos outros tipos de câncer é o modo como se desenvolve no corpo da mulher. Este tem como sua principal característica a aparente ausência de sintomas – que, na verdade, muitas vezes podem ser confundidos com outras doenças corriqueiras e, por isso mesmo, acabam por passar despercebidos e/ou ignorados.


Por conta disso, não raro são os casos que tumores no ovário são detectados quando eles já se encontram em estágio avançado. E como sabemos, é sempre importante que aqueles que são portadores de doenças cancerígenas recebam o quanto antes o diagnóstico para que tenham mais chances de cura ao iniciarem o tratamento.

Onde fica o ovário da mulher?

Formado pelas células epiteliais, células germinativas e células da teca-granulosa, o ovário é um órgão que está localizado dos lados direito e esquerdo do útero da mulher. Interligados ao aparelho reprodutor pelas trompas, são eles que geram os hormônios femininos: estrógeno e progesterona.

Onde ocorre e quais os tipos de câncer de ovário?

A grande maioria dos casos de neoplasias no ovário se originam nas células epiteliais, responsáveis por revestirem a parte de fora do ovário. Os especialistas costumam dividir ele em tumores serosos, mucinosos, endometriais, de células claras e não invasivos (conhecidos também como “borderline”).


Os serosos são os mais comuns, sendo diagnosticados em torno de 75% dos casos. Os endometriais são mais firmes e de cor escura, figurando também entre os mais frequentes.


Os de tipo borderline, ou tumores não-invasivos, apesar de se desenvolverem de maneira mais lenta, dificilmente se alastram para outros órgãos. Embora atinja mulheres mais novas, possuem um ótimo prognóstico de cura.


Os tumores mucinosos e de células claras são os mais violentos, e os que têm maior probabilidade de causarem metástase. Mulheres que detectam um desses tumores tardiamente, correm riscos de responderem de maneira insatisfatória ao tratamento da quimioterapia.


Há aqueles que se desenvolvem a partir das células responsáveis pela produção dos hormônios femininos e são chamados de tumores de estroma. São encontrados geralmente em pacientes mais jovens e comumente detectados ainda na sua fase inicial.


Os tumores germinativos são células cancerígenas que surgem dentro dos óvulos. Aparecem em menos de 5% dos casos e normalmente são curáveis.

Sintomas

Entre os principais sintomas que podem indicar um possível câncer no útero, incluem: dor e inchaço abdominal, menstruação irregular, dor durante relações sexuais, vontade de urinar com frequência, perca de apetite, sangramento incomum na genital, aumento ou diminuição do peso sem motivo aparente.

Fatores de risco

Os fatores que mais aumentam o risco de mulheres desenvolverem câncer no ovário costumam ser a idade, histórico familiar, infertilidade e predisposição genética.

Tratamento

O médico responsável deve avaliar qual o tipo de doença detectada e quais as condições do paciente. Num geral, as formas mais utilizadas de tratamento são a cirurgia e a quimioterapia.

Share This